Fitur distingue Portugal com prémio de Melhor Stand Internacional numa feira em que participam 650 stands de 165 países e regiões. E, desta vez, Portugal contou até com a ajuda dos reis de Espanha. Elvas recebeu menção honrosa.

Uma vez mais, a presença portuguesa na Feira de Turismo de Madrid, que decorre até domingo, foi distinguida com o prémio de melhor stand internacional.

Desenvolvido pela empresa Multilem para o Turismo de Portugal, o stand português destaca-se pela sua dimensão (é o maior do sector europeu, com 750m2) e por alguns detalhes muito chamativos, contando-se entre eles um gigantesco retrato feito com rolhas de cortiça de Felipe VI e Letizia ou dezenas de chapéus-chuva (também em cortiça) que esvoaçam sobre uma área do pavilhão.

É a quarta vez que Portugal recebe este prémio (depois de 2004, 2011 e 2012) num mercado fulcral para o Turismo português e numa feira tão relevante quanto a madrilena, uma das maiores do mundo dedicadas à indústria turística. Portugal “derrotou” “650 stands provenientes de 165 países e regiões que nesta altura marcam presença em Madrid”, informam em comunicado.

“Vencer este prémio com este stand em particular que nasceu de um trabalho conjunto com o Turismo de Portugal para encontrar uma solução diferente e inovadora de promover o país é ainda mais gratificante e representa um reconhecimento importante de todos os trabalhadores da Mutilem”, comenta a empresa responsável pelo stand, inaugurado em Outubro no World Travel Market de Londres e já premiado também em Barcelona.

Portugal recebeu ainda outra distinção: uma menção honrosa para o stand de Elvas, no Alentejo. Na área internacional foram também premiados o Uzbequistão e o Turismo de Túnis (Tunísia).

30 mil rolhas reais
O grande destaque do stand português é um retrato de Felipe VI e Letizia, assinado por um artista norte-americano, Scott Gundersen. Nele, os rostos dos reis espanhóis são traçados a cortiça: com 230kg, tem 2,30m de altura e 3,20m de largura e é composto por mais de 30 mil rolhas (as últimas 500 são colocadas ao longo do certame). “É uma prenda a todo o povo espanhol”, resumia o Turismo de Portugal na apresentação da obra.

Na inauguração oficial da Fitur, os reis de Espanha passearam pelos pavilhões mas não chegaram ao retrato, que pretende não só seduzir os turistas como também os media espanhóis (basta uma pesquisa na net para confirmar o êxito da iniciativa). Porém, o Turismo de Portugal confirmou que foi feito com autorização da Casa Real, que já confirmou aceitá-lo como oferta no fim da feira. O retrato em cortiça (material omnipresente no stand) pretende também sublinhar que Portugal é o maior produtor desta matéria-prima, além desta criar uma ligação directa aos “nossos vinhos, a natureza, a sustentabilidade, a nossa indústria”.

O mote do stand português – baseado nas sete regiões turísticas lusas e na participação de 47 empresas – é a “partilha e celebração de bons momentos”. Como exemplo, há um “selfiematon”, onde os visitantes se podem fotografar em belos cenários portugueses. A arte urbana é também onipresente, aludindo-se a várias criações, como grafitis (há um a ser criado ao vivo) e festivais de rua – num ponto do stand, 30 chapéus-de-chuva em cortiça estão pelos ares, lembrando as imagens virais que chegaram a todo o mundo da decoração de ruas em Águeda no Umbrella Sky Project. O programa inclui também vinhos, gastronomia e música.

 

Em: Fugas Publico|30.01.2015|Por Luís J. Santos|