O escritor moçambicano Mia Couto, vencedor do Prémio Camões em 2013, disse, durante cerimónia em Maputo, que o país não é um quintal privado para ser dividido entre os partidos políticos e apelou à paz no país.

Maputo - O escritor moçambicano Mia Couto, vencedor do Prémio Camões em 2013,  disse, quarta-feira, em Maputo, que o país não é um quintal privado para ser dividido entre os partidos políticos.

O escritor foi distinguido hoje com o título Doutor Honoris Causa em Humanidades na especialidade de Literatura pela Universidade A Politécnica, a primeira instituição privada de ensino superior em Moçambique. O escritor é o autor moçambicano mais traduzido e divulgado no estrangeiro, com um acervo literário que inclui poesia, contos, romances e crónicas.

No discurso proferido na ocasião, Mia Couto abordou a instabilidade política em Moçambique, afirmando que o povo jamais deveria ser usado como carne para canhão.

“Não nos usem como carne para canhão, não servimos de meio de troca”, disse. “Todos os povos amam a paz e os que passaram pela guerra sabem que não existe um valor mais precioso. Os que ameaçam a paz falando da guerra devem saber que aquele que está a ser ameaçado não é apenas o Governo mas sim todo o povo”, afirmou o escritor, para de seguida frisar que “pode não ser este o lugar, mas quero que os homens das armas escutem o seguinte: não nos usem como carne para o canhão”.

“Quem quiser fazer política que faça política, mas que não aponte uma arma contra o futuro dos nossos filhos”. “Os donos das armas precisam perceber que nós merecemos todo respeito e merecemos viver sem medo”,  enfatizou o autor de “Terra Sonâmbula” no evento a que esteve presente o Presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, e o antigo chefe de Estado Joaquim Chissano.

“Quero aprender, com todos nós, a ser um país que não exclui, ou seja, queremos um país que assume as suas diferenças e diversidades”, disse.

O apelo de Mia Couto em defesa da paz surge numa altura em que Afonso Dhlakama, líder da Renamo, o maior partido da oposição em Moçambique, acaba de endurecer o seu discurso e ameaça tomar o poder pela força nas seis províncias do centro e norte do país onde reivindica vitória nas últimas eleições gerais, realizadas a 15 de Outubro de 2014.

Há cerca de duas semanas, Dhlakama anunciou o abandono do seu partido do diálogo político com o governo, que vinha decorrendo há cerca de dois anos, sem avanços significativos.

Mia Couto, distinguido com diversos prémios literários, esteve, este ano, entre os escritores finalistas do “Man Booker International Prize”, um dos mais importantes prémios literários mundiais, numa lista que incluiu o argentino César Aira, a libanesa Hoda Barakat; Maryse Condé de Guadalupe; a americana Fanny Howe; o líbio Ibrahim Al-Koni; o húngaro László Krasznahorkai; o congolês Alain Mabanckou; a sul-africana Marlene van Niekerk e o indiano Amitav Gosh.

Em: Portugal Digital| 02/09/2015 |