LusosCartas

Os Lusos-europeus, no início deste III Milénio – que está começando, são cerca de 10 Milhões dentro de Portugal – Continental, e são mais de 15 Milhões que estão vivendo por este Mundo fora. Embora as estatísticas do “correctamente político” nos queiram induzir em erro, dizendo que emigrantes Lusos não há mais que 5 Milhões.

Na verdade as Leis da Nacionalidade (em qualquer país do mundo) regem-se fundamentalmente por Dois grandes princípios de ordem jurídica e Natural. A Lei da Nacionalidade ou se rege pelo princípio do “Jus Sanguinis”– o “direito do sangue”, e assim serão cidadãos de um país – Todas as pessoas cujos pais (Ou o pai, ou a mãe) pertença a essa nacionalidade;

Ou se regem pelo princípio do “Jus Solis”, “direito do território” – e assim será cidadão de um determinado País, todo aquele ser humano que nasça nesse país.

Os Países mais velhos no Mundo (como sejam os Países Europeus a que Portugal pertence) regem-se fundamentalmente pelo princípio do Jus Sanguinis, e assim será sempre Português, o filho de pai, ou de mãe portuguesa, quer ele nasça em Portugal, ou em qualquer outra parte do Mundo.

Já os Países Novos (como alguns de África, Américas, ou do Oriente regem-se fundamentalmente pelo princípio do “Jus Solis” o “direito do território” pois caso contrário esses países correriam o risco de não terem cidadãos próprios.

Por isso, é que o Luso europeu, transmite a sua Lusitanidade a seus filhos quer eles nasçam na Europa, nas Américas, nas Áfricas, nas Ásias ou Oceânias.

Não há pois Luso-descendentes, conforme a Mídia mal informada e tendenciosamente, por vezes quer fazer entender. Na verdade, ou se é “Luso,” ou não se é Luso. Não há meias tintas, nem meios termos.

É preciso que a Mídia se instrua, ou que quando não sabem procurem bem informar-se.

Pode é haver pessoas com Dupla-nacionalidade, mas nesse caso, essa pessoa assume a inteira nacionalidade quer em uma Pátria, quer na outra de que também faça parte.

Por isso, o “sítio da portugalidade” criou a possibilidade de todo o Luso – quer esteja no Brasil, E.U.A, Canadá, México, em qualquer país Africano, Europeu, Asiático ou na Oceânia poder “escrever as suas cartas” e no “sítio da portugalidade” fazer publicitá-las. Vamos começar pelas “cartas” que nos são enviadas por Lusos que vivem no Canadá.