CL 37

O GUIA

- Estamos aqui ao leme em navegações perigosas.
- Uma estrela de luz clara iluminará teu caminho
e um cântico suave te acompanhará.
- Volvi, vivi.
- Deixa que os anjos proclamem o percurso
entre céu e terra, esquece as turvas águas passadas,
as pontes quebradas e os gritos gritados,
a filiação divina em genealogia esquecida,
as espadas apontadas a peito nu,
mãos dilaceradas em sebes de espinhos,
desertos escaldantes passados
e ao fim estradas cortadas de neve pejadas.
Logo depois áreas floridas terás
de sebes perfumadas com aves cantantes
e tépidos ares e tempo sem horas contadas
e aparas da vida largadas e luz da luz chegada.
- Eu também compreendo que pela medicina sagrada
voar poderemos e na constância, ao céu chegaremos:
de branco vestidos de anjos assistidos,
as culpas largadas as portas do céu franqueadas.

***

Sempre, o segredo será apresentado só no fim da vida.
Entre as pernas do mundo agoniado em parto no termo
do tempo contado, tal outra Paixão no sangue e dor
para outro mundo nascente.

Condição de glória, visitações do mistério
requerendo somente ciência e paciência,
abandonado que foi o medo dos números,
dos dias, dos anos e dos precipícios.

 

A NOVA DESCOBERTA

Altíssimo Rei, justo e piedoso, te alças a las orillas del mar.

Estou à espera do Pai para me encaminhar com mais segurança na tentativa de desvendar o enigma da nação.

Agora, ao levedar do mal se junta a loucura do acónito, tumultuosamente.

Ah, quão doce foi a tua passagem sobre a terra.

Os homens mamavam leite de seios maternos, tal de novo infantes. Assim, ao mesmo ritmo de doce mamar eles aprenderam a viver a vida dia a dia. Quando mais tarde, em nome do não-Dormente, o dia de Juízo chegar, caminharão calmos ao longo da senda estreita entre as altas penedias do bem e do mal, por eles antes na terra aberta.

Conhecimento do mundo em experiência directa, avançando no desconhecido por inculcas, lentamente quer chova quer faça sol, agora estar parado logo depois em movimento, avançar às vezes por comércio de peles, vítimas sacrificadas; porque entre ciências prévias eles aprenderam a matar; partir de portos não marcados em mapas conhecidos, desde pólo sul a pólo norte incluindo zona abrazadora tropical de maleitas mefíticas, pântanos onde se atolar, altíssimas montanhas onde se perder fôlego, alterosas vagas de mares infrenes ou de calmas prolongadas onde não se avança semanas e semanas, picadas abertas em selvas cerradas, navegações em mares de correntes ignoradas.

E canto sobre as águas do Oceano primitivo mais suas ondas de vagos ecos.

Mais informações em Fundação LusíadaHora de Prima