A cidade de Caldas da Rainha, cujo nome provêm da rainha Dona Leonor, tem cerca de 50.000 habitantes. A sua fama deve-se à existência de fontes de águas termais sulfurosas, cujos efeitos terapêuticos foram comprovados em várias civilizações durante séculos. Na actualidade, estas instalações foram modernizadas para acolher o turista actual, que descobrirá também um grande património arquitectónico.

 

HISTORIA CALDAS DA RAINHA

 

Caldas da Rainha é também conhecida como ‘Termas da Rainha’, sua história está intimamente ligada a seus importantes recursos termais. As propriedades curativas destas águas já eram conhecidas pela população quando a rainha D. Leonor, esposa de D. João II, as descobriu.

No ano de 1485 a rainha ordenou a construção de um lugar com fins terapêuticos que se converteria no primeiro Hospital Termal do mundo.

Esta cidade começou a prosperar graças a suas curas termais, muito demandadas pelos reis e aristocratas portugueses, mas também graças a fruticultura e ao seu famoso artesanato.

Apesar do seu desenvolvimento e importância durante a Idade Média, Caldas da Rainha não se criará como Concelho até o ano de 1821. No transcurso deste século vive a sua época de maior esplendor porque os balneários se põem de moda.

A abundância de argila na zona fez com que se criaram numerosas fábricas de cerâmica, a cidade se converte em um dos principais centros de cerâmica do país, onde destacaram as criações do famoso artista do século XIX.
Rafael I Bordalo Pinheiro que encheu suas peças de originalidade, crítica e humor

Durante o século XIX e XX a população continua seu desenvolvimento, sendo um dos lugares mais frequentados pelas classes mais poderosas. No ano 1927 é elevada a categoria de cidade.

Actualmente pertence ao Distrito de Leiria. Suas famosas águas sulfurosas continuam atraindo a numerosos turistas, mas os atractivos que oferece esta cidade vão mais além do turismo balnear. Destaca-se seu rico património histórico e cultural, a beleza das suas praias perfeitas para os desportos náuticos e seus museus.

PASSEIO TURISTICO CALDAS DA RAINHA
Ermida de S. Sebastião A Ermida de São Sebastião foi construída no século XVI e se encontra ao norte da Praça da Republica. Foi amplamente restaurada devido ao famoso terramoto de 1755. Destaca-se no seu interior o conjunto de azulejos que representam a vida do padroeiro da igreja. Actualmente é a sede da Associação Património Histórico e nela se realizam numerosos eventos culturais. O edifício está classificado como Imóvel de Interesse Público.

Chafariz das Cinco Bicas O Chafariz das Cinco Bicas é o mais importante e grandioso dos três que mandou construir D. João V no século XVIII. É estilo barroco e se encontra na Rua do Diário de Noticias. Está composto por três corpos e o central constitui um nicho formado por um arco de volta perfeita rematado por pináculos. Está classificado como Imóvel de Interesse Público.

Igreja de Nossa Senhora do Pópulo A Igreja de Nossa Senhora do Pópulo foi fundada pela Rainha D. Leonor, no final do século XV. Nas suas origens foi utilizado como capela privada do Hospital Termal e anos mais tarde foi convertida em Igreja Matriz de Caldas da Rainha, até que no ano de 1950 foi construído a Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição. Situa-se na Rua Rodrigo Berquó, Largo da Copa. Sua arquitectura combina o estilo manuelino, renascentistas e maneiristas. É de uma só nave com capela-mor de planta quadrada coroada por uma formosa torre sineira na que se destaca em cada um dos seus lados um monumental relógio. Seu interior se encontra revestido por azulejos azuis e amarelos do século XVII, e no seu altar-mor destaca-se um retábulo em pedra de finais do século XVI.

Termalismo Caldas da Rainha é a cidade termal por excelência, tendo como centro principal o Hospital Termal. A água provém de uma grande profundidade sendo cinco os lugares onde nasce, a piscina das mulheres, piscina dos homens, piscina escura, fonte do arco e pocinho da copa, com um caudal num total de 85.000 litros por hora.

Hospital Termal O Hospital Termal de Caldas da Rainha, classificado como o mais antigo Hospital Termal do mundo, foi mandado construir pela Rainha D. Leonor no ano se 1485, ao se surpreender dos poderes curativos das águas que manavam no lugar. Se encontra situado no Largo Rainha D. Leonor e nas suas origens foi administrado pela própria rainha. Dispõe de serviços de hidrologia, medicina física e reabilitação, e um serviço de internato. Também nas suas instalações se podem realizar numerosas actividades de lazer como o ténis, patinagem. Pesca, aluguel de barcos, etc. Estas águas atraem anualmente a centenas de turistas por estar indicadas especialmente para o tratamento das doenças reumáticas e das vias respiratórias.

Ermida do Espirito Santo A Ermida do Espírito Santo é a mais antiga de Caldas da Rainha. Foi erguida no século XV e reconstruída no século XVIII. Encontra-se situada no Largo de Deus, perto da Igreja de Nossa Senhora do Pópulo e do Hospital Termal. Sua arquitectura combina os estilos maneiristas e barroco. É uma capela de grandes dimensões com planta longitudinal de nave única coberta por madeira e capela-mor abobadada. Destaca na sua fachada o escudo da Ordem Terceira de São Francisco. No seu interior ressalta o conjunto de retábulos do século XVI, obras de Diogo Teixeira. Actualmente encontra-se fechada ao público podendo ser visitada sob solicitação ao Director do Centro Hospitalar de Caldas da Rainha.

Parque D. Carlos I O Parque D. Carlos I encontra-se integrado ao conjunto verde que rodeia o Hospital Termal e se estende pela Rua de Camões, Largo Conde Fontalva e a Avenida Dr. Manuel Freire da Câmara. Actualmente o interior do parque está equipado com numerosas zonas recreativas, lago, campos de ténis, bares, restaurantes, equipamentos culturais destacando o Museu José Malhoa e numerosas esculturas distribuídas por todo o parque. É o lugar ideal para passar o dia ao ar livre, realizar passeios e desfrutar das suas instalações.

Museu Malhoa O Museu Malhoa situa-se no Parque D. Carlos I e foi inaugurado no ano de 1934 em memória de José Malhoa, um dos mais importantes pintores portugueses natural da cidade. No seu interior abriga uma grande colecção de obras do artista e também numerosas obras, esculturas, pinturas, cerâmicas, etc., de outros famosos mestres portugueses. No exterior do museu destaca, entre as diferentes esculturas, a estátua de José Malhoa realizada pelo escultor Leopoldo de Almeida. É o museu mais importante de Caldas da Rainha e o edifício no que se encontra está classificado como Imóvel de Interesse Público.

Casa Museu de S. Rafael Bordalo A Casa Museu de S. Rafael Bordalo situa-se na Rua Rafael Bordalo Pinheiro, antiga casa do seu filho Manuel Gustavo. O Museu foi fundado no ano de 1884 com as peças produzidas no decorrer dos anos na fábrica de cerâmica do artista. Nele se exibem as diferentes fases de elaboração das peças.

Museu da Cerâmica O Museu da Cerâmica situa-se na Rua Ilídio Amado, Quinta Visconde de Sacavém. Está instalado no Palacete do Visconde de Sacavém, edifício do século XIX em que se destaca a sua fachada decorada com azulejos dos séculos XVIII e XIX. O museu acolhe no seu interior mais de 15.000 peças de cerâmica dos séculos XIX e XX, destacando a colecção de porcelana de Rafael Bordalo Pinheiro que adquiriu fama internacional. Foi inaugurado no ano de 1983.

Centro de Artes O Centro de Artes de Caldas da Rainha está formado pelos Atelier-museus António Duarte, João Fragoso, Barata Feyo e Leopoldo de Almeida, o Pavilhão de Ateliers, o Recinto Simpetra e a Residência de Artistas. Desde o ano de 1985, com a inauguração do Museu António Duarte, o município de Caldas da Rainha teve um grande desenvolvimento no equipamento cultural criando o actual Centro de Artes, que oferece aos artistas e estudantes as condições ideais para aprofundar o seu trabalho.

Museu Atelier António Duarte O Museu Atelier António Duarte situa-se na Rua Ilídio Amado, muito perto do Museu da Cerâmica. No seu interior se abriga mais de mil obras doadas a cidade pelo Escultor António Duarte, nascido no dia 31 de Janeiro de 1912 em Caldas da Rainha. A colecção está composta por pinturas, esculturas, desenhos e uma colecção particular de arte sacra da qual era grande aficionado. Foi inaugurado no ano de 1985.

Museu Atelier João Fragoso Museu Atelier João Fragoso instalado no Centro de Artes, Avenida Columbano Bordalo Pinheiro, foi inaugurado no ano de 1994. Nele se exibe permanentemente uma exposição das obras do escultor João Fragoso. Suas esculturas estão realizadas em diversos materiais, gesso, bronze, madeira, etc. O museu também conta com salas onde se realizam numerosas exposições temporárias com obras de diferentes artistas.

Museu Barata Feyo Outro dos museus que nos encontramos no Centro de Artes é o Museu Barata Feyo. Idealizado por um dos seu filhos, o arquitecto António Barata Feyo, nele se monstra uma grande colecção de obras realizadas por seu pai diferenciadas em três tipos principalmente retratos, esculturas religiosas e escultura oficial.

 

Em: aportugal