Lisboa, 08 de Junho, 2009 (Lusa) – O Presidente da República, Cavaco Silva, apelou hoje ao ‘espírito de portugalidade’, prometendo continuar a contribuir para que os emigrantes aumentem a sua participação cívica e política nos “tempos incertos que vivemos”.

“Quero, hoje de novo, apelar ao que tenho designado por ‘espírito de portugalidade’, de que este prémio comunga, esse espírito que nos une e que nos acompanha, para lá das fronteiras do nosso país, até ao mais recôndito lugar onde resida um português. Esse espírito que se mantém vivo na nossa língua e na nossa cultura”, afirmou.

Numa intervenção na cerimónia de entrega do Prémio Empreendedorismo Inovador da Diáspora Portuguesa, que foi atribuído a Manuel Eduardo Vieira e Paulo Taylor de Carvalho, o chefe de Estado centrou a sua intervenção no papel daqueles que vivem e trabalham no estrangeiro.

“A propósito dos tempos incertos que vivemos, a história mostra-nos que Portugal é feito de uma sucessão de períodos de depressão e de recuperação económica”, lembrou o chefe de Estado, destacando a actualidade da ‘Mensagem’ de Fernando Pessoa.

“Tudo é certo e derradeiro, tudo é disperso, nada é inteiro. Ó Portugal, hoje és nevoeiro”, citou Cavaco Silva. Contudo, acrescentou ainda o chefe de Estado, é sabido que, “quando esse nevoeiro se abate sobre Portugal, os portugueses procuram e atingem novas soluções”.

Mas, “para muitos destes portugueses, a realização destas soluções só foi possível pela saída do seu país natal”, reconheceu Cavaco Silva.

Homens e mulheres que saíram do país, mas que têm “alargado a grandeza do nome de Portugal por toda a parte”, conquistando posições de relevância nos países de acolhimento, mas que nunca esqueceram a sua origem, o seu berço e o orgulho de terem nascido em Portugal”.

Assinalando a importância da obra destes portugueses para o desenvolvimento e afirmação da imagem de Portugal perante si próprio e perante o mundo, o Presidente da República exortou-os a prosseguirem o esforço, incluindo nele a língua portuguesa, sem nunca perderem a ligação a Portugal.

“É meu firme propósito continuar a contribuir para que os portugueses residentes no estrangeiro e os luso-descendentes possam aumentar a sua participação cívica e política e reforçar os laços que os unem a Portugal”, declarou.

Pois, insistiu, “as diásporas são muitas vezes a ‘guarda avançada’ dos países no mundo” e Portugal necessita “hoje mais do que nunca” da ajuda da sua diáspora.

Manuel Eduardo Vieira, de 63 anos, emigrou para os Estados Unidos em 1972, sendo actualmente dono da A.V.Thomas Procude, que ocupa a liderança de mercado na distribuição da batata-doce da Califórnia e é o maior produtor e distribuidor de batata-doce biológica do mundo.

Paulo Taylor de Carvalho, de 32 anos, foi um dos fundadores da EBuddy, empresa que factura cerca de dois milhões de euros em publicidade e conta com mais de 70 milhões de utilizadores.

VAM.

Lusa/fim
Em “Expresso”: PR: Cavaco Silva apela ao “espírito de portugalidade”