No passado sábado dia 12 de Março e no Círculo Eça de Queiroz, ao Chiado, decorreu uma Sessão Cultural evocativa da passagem do 30º aniversário da constituição da Fundação Lusíada.

Seguiu-se almoço de homenagem ao seu Fundador e ainda Presidente do Conselho de Administração da Fundação Lusíada Dr. Abel de Lacerda Botelho que foi felicitado por dezenas de pessoas presentes e através de variadíssimas mensagens enviadas de Norte a Sul de Portugal, do Brasil, Canadá, Luxemburgo, Suíça, Itália, Espanha, Guiné, S. Tomé e Príncipe, Angola e Moçambique.

A Sessão Cultural foi aberta pelo Secretário-Geral da Fundação Lusíada – Dr. Bruno do Nascimento Nobre – que depois passou a palavra ao Dr. Abel de Lacerda Botelho, e este fez uma resenha das razões e motivos culturais e sociais que na época, o levaram a constituir a Fundação, e qual o significado dos Símbolos que a Fundação usa e pratica. De seguida referiu e agradeceu a todos os Administradores que durante estes 30 anos de existência da Fundação exerceram os seus cargos, relembrando a acção que eles tiveram em prol da Cultura Portuguesa, destacando a memória dos que já não se encontram no nosso convívio como sejam o Dr. António Quadros, Drª. Dalila Pereira da Costa, Prof. Dr. Justino Mendes de Almeida e agradeceu também toda a grande e profícua colaboração que os demais Cooperantes da Fundação tiveram em prol da mesma, nomeadamente os Administradores – Francisco da Cunha Leão, Jesué Pinharanda Gomes, Joaquim Domingues, António Monteiro de Lacerda, António Castilho Borges, Arnaldo de Mariz Rozeira, e Glória Almeida Zeferino que sempre com zelo e gratuitamente têm exercido os seus cargos.

Referiu que a Fundação Lusíada cujo objectivo desde o início até hoje, tem sido o de Defender e Divulgar a Língua e a Cultura Portuguesa nos países de língua portuguesa, nos países onde existem comunidade lusas e em qualquer outro país onde tal se torne útil ou necessário, continua a tal prosseguir e hoje detém várias Representações espalhadas pelo Mundo, desde o Brasil (no Rio de Janeiro, S. Salvador da Bahia, Recife), nos E.U.A. (Newark), no Canadá (Toronto), no Luxemburgo, na Suíça (Friburgo), na Guiné-Bissau, em S. Tomé e Príncipe, em Angola e Moçambique.

A Fundação nasceu como Instituição Privada e independente dos poderes públicos, e continua a ser uma Vocação e um Serviço:

Vocação de Portugalidade,

e Serviço do Pensamento, da Vida e da Cultura Lusíada.

A nível Editorial já editou mais de 60 títulos distribuídos pelas suas Colecções de: Ensaios, Poesia, Documentos, Expectativas, Memórias e Teatro, e em seguida o Dr. Abel de Lacerda Botelho referiu um por um, os 36 (trinta e seis) autores-escritores já publicados pela Fundação.

Referiu ainda que a actividade da Fundação não se tem limitado só à publicação e patrocínio editorial de Obras literárias-filosóficas e à sua Difusão por Universidades, Arquivos, e Municípios, Escolas, Bibliotecas Públicas e privadas, Lares de Terceira Idade, Associações Culturais e mesmo Desportivas e de Assistência Social, mas também e durante 30 anos têm-se realizado inúmeros Colóquios, Sabatinas, Seminários e Congressos quer em Portugal, no Brasil, na Suíça e no Canadá abordando os mais diversos temas Literários, Filosóficos e prestando homenagens públicas a imensas figuras da vida cultural Portuguesa.

Destacou ainda como marcos fundamentais na actividade da Fundação durante estes 30 anos o ter:

- Contribuído para a formalização, constituição e oficialidade da C.P.L.P., pois participou assídua e cooperantemente com o Grupo Brasileiro para atingir tal finalidade. Tal grupo de intelectuais e Políticos Brasileiros fora constituído por:

- Prof. José Sarney – Presidente da República

- Prof. José Aparício – Embaixador

- Prof. Dr. Gerardo Mello Mourão

- Prof. Dr. Paulo Mercadante

- Prof. Dr. Miguel Reale.

 - Ter contribuído para a constituição do Centro Português de Fundações.

- O ter constituído e registado no Luxemburgo em 1968 a Primeira Universidade de Língua Portuguesa fora dos Países Lusófonos.

- O ter constituído e registado em Novembro de 1969 em Friburgo – Suíça, a “Fondation Lusiada”.

- O de ter contribuído no Luxemburgo e na Suíça para que nesses países seja leccionado o ensino da Língua Portuguesa como disciplina optativa liceal.

 Terminou referindo para Memória Futura que ele próprio, Dr. António Quadros e Dr. Francisco da Cunha Leão, convidaram logo no início e por duas vezes, o Filósofo Agostinho da Silva para presidir à Fundação Lusíada, e este sempre declinando o convite insistiu para que deveria ser o Fundador, o seu Presidente executivo, assegurando-lhe nessa altura (30 anos já passados) que ele iria ser o novo Nauta tal como Gama fora, para iniciar a Viagem Cultural à Índia, desta vez – viagem cultural pelo Mundo, mas que se acautelasse desde já pois iria sofrer entre ouros obstáculos e contratempos, TRÊS sérias TRAIÇÕES. Profeticamente o previu, e vivencialmente tal aconteceu.

Nunca ele Fundador, esperou presidir por 30 anos à própria Fundação. Tem a plena consciência de dentro das suas modestas e pequenas possibilidades ter “aguentado” as tormentas que tal Nau cultural tem tido nos diversos Mares que tem atravessado, e faz sinceros votos que a Fundação Lusíada possa “prosseguir a sua viagem cultural e peregrina por esse mundo além”, sempre defendendo a Língua e a Cultura Lusa, pois

“Só por obras valerosas praticadas”

“É que da Lei da morte os Lusos se irão libertando”.

A seguir foi exibido um filme evocativo das várias actividades públicas que a Fundação teve ao longo dos seus trinta anos de vida. Esse filme terminou com a publicitação de várias condecorações e agraciamentos públicos que o Fundador Dr. Abel de Lacerda Botelho foi tendo pelo mundo fora, ao longo destes últimos 30 anos.

De seguida a Dr.ª Maria da Conceição Azenha fez a leitura-declamação de poemas de autores-poetas já editados pela Fundação.

Antes da reunião terminar, foram apresentadas ofertas à Fundação, sendo de destacar um quadro pintado pela artista Dr.ª Cynthia Guimarães Taveira, e uma “Cruz – processional COPTA” – relíquia secular – ofertada pelo Major José da Silva Duarte – que evocou as viagens à Etiópia feitas na companhia do Presidente da Fundação e dos momentos culturais calorosos que ambos lá passaram e das condecorações que o Estado Etíope e sua Beatitude o Papa – Copta Papoulos II lhes prestaram e concederam.

A sessão terminou, com a entrega por parte do Presidente da Fundação Lusíada de Medalhas, Placas e Símbolo da Fundação ofertadas aos Administradores presentes e aos Colaboradores da Fundação que mais se distinguiram nos últimos sete anos pelo seu trabalho e abnegação a favor da Fundação Lusíada.

Seguiu-se um momento musical com a actuação do Violinista Leonidas, que se prolongou durante o almoço que a seguir foi servido a mais de 50 pessoas presentes.

No final do almoço tomou a palavra o Grão-Prior do Centro de Portugal e Algarve da Ordem de Ourique – Coronel João Manuel dos Santos Fernandes – para felicitar o Dr. Abel de Lacerda Botelho que é também o Grão-Mestre da Ordem de Ourique e ofertar-lhe uma placa comemorativa em cristal Atlantis.

Também tomou a palavra para homenagear a Fundação o Exmº.  Sr. Prof. Dr. Rodrigo Sobral da Cunha e a Engª. Maria da Glória Almeida Zeferino que em nome das Representações da Fundação Lusíada no Brasil ofereceu ao Fundador um emblema peitoral em ouro – a pomba do Espírito Santo, símbolo da Fundação.

Dignaram-se estar presentes à Sessão Solene e Almoço, além de várias dezenas de amigos da Fundação Lusíada, S.A.R. D. Miguel de Bragança – Duque de Viseu – e a Exmª. Srª. Doutora Mafalda Quadros Ferro Presidente da Fundação António Quadros.